software venda de dados e-mail home
   


"Os Axiomas de Zurique" (Max Gunther)
Tradução de Isaac Piltcher. Rio de Janeiro, Editora Record. Os conselhos secretos
dos banqueiros suiços para orientar os seus investimentos.

"Introdução aos Mercados Futuros e de Opções" (John Hull)
Cultura Editores e Associados, BMF. 1996, 448 pg.

"Análise Técnica: Gráfico de Barras" (Miguel Dirceu F. Tavares)
Avaliação de investimentos em ações.1987.

"Análise Técnica: Gráfico Ponto & Figura" (Miguel Dirceu F. Tavares)
Avaliação de investimentos em ações.1987.

"Faça Fortuna com Ações Antes que Seja Tarde" (Décio Bazin)
São Paulo, Editora JMJ, 1984 - 2a. Edição revisada. Profissional do mercado
mostra o caminho através do fascinante mundo da Bolsa.

"Ganhe na Bolsa com Seu Micro" (Gil Ari Deschantre)
Editora Ciência Moderna.

"Guia de Sobrevivência do Investidor" (Investors Consultores Financeiros & Editores Ltda.)
Cx. Postal 62641 CEP 22252-970 Rio de Janeiro - RJ (investors@bbs.centroin.com.br)

"Guia Prático de Investimentos das Beardstown Ladies"
Editora Salamandra, 238 páginas.

"Reminiscências de Um Especulador Financeiro" (Edwin Lefèvre)
São Paulo. Makeon Books, 1994.

"Desafio aos Deuses, a Fascinante História do Risco" (Peter L. Bernstein)
Editora Campus, 1997.

"O Milionário Mora ao Lado" (J. Stanley, Thomas & Danko D. William)
Rio de Janeiro, Manole, 1999.

"Opções, do Tradicional ao Exótico" (Lauro de Araújo Silva Neto)
Editora Atlas.

"Como se Transformar em um Operador e Investidor de Sucesso" (Alexander Elder)
Editora Campus.

"Os Ensaios de Warren Buffett: Lições para Investidores e Administradores" (Rui Tabakov Sena Rebouças)

 

 
   


BLACK-SCHOLES

Modelo de precificação de opções desenvolvido pelos economistas Fischer Black e Myron Scholes, largamente utilizado pelos profissinais do mercado.

  • Cálculo dos parâmetros para todas as opções negociadas no dia
  • Cálculo da volatilidade histórica e da volatilidade implícita
  • Simulador de preço teórico
  • Gráfico ponto & figura da ação vinculada à opção
  • Cálculo dos Gregos
  • Cálculo do números de dias para o vencimento
  • Cálculo da taxa de juros baseado nas cotações do DI de 1 Dia da BMF

O módulo de Opções do Gripper, que contém todas as opções de compra e de venda negociadas na Bovespa, tem o modelo Black-Scholes de cálculo de preços teóricos das opções. Confronta os preços teóricos com os prêmios das opções permitindo montar estratégias operacionais compradas ou vendidas. Abaixo, uma breve descrição dos principais indicadores do modelo, conhecidos como "gregos".


Delta..
Mede a sensibilidade do preço de uma opção em relação ao preço do ativo objeto do contrato. O delta costuma ser apresentado em termos monetários,e mostra qual deverá ser, em reais, a variação do preço da opção caso ocorra uma variação de R$ 1,00 no preço do ativo.

Gamma.. É a taxa de variação do delta de uma opção, com relação ao preço do ativo. Se o gamma for pequeno, a variação do delta ocorrerá vagarosamente,e os ajustes para mantê-lo neutro só precisarão ser feitos com freqüência relativamente esparsa. Se o gamma for grande em termos absolutos, o delta será altamente sensível ao preço do ativo objeto. Intuitivamente o gamma varia conforme o quanto se está próximo do dia de exercício e do preço de exercício, caminhando para o infinito quando se aproxima o vencimento, e quando a opção está no dinheiro.

Vega.. Mede a sensibilidade do preço da opção às variações na volatilidade do ativo objeto. Se o vega for elevado em termos absolutos, o valor da opção ficará muito sensível a pequenas mudanças na volatilidade. Se ele for baixo em termos absolutos, as mudanças na volatilidade terão impacto relativamente pequeno sobre o preço da opção. O vega normalmente é padronizado no mercado para refletir a variação no preço da opção dada uma alteração de 1% na volatilidade.

Theta.. Mede a sensibilidade do preço da opção à passagem do tempo. É uma boa medida do que se costuma chamar de time decay: a queda no prêmio de uma opção dada pela corrosão do seu valor no tempo, à medida que se aproxima o vencimento.


Rho..
É a medida de sensibilidade do preço da opção às variações na taxa de juro. De um modo geral verifica-se que o preço das opções é muito pouco sensível às mudanças nas taxas de juro, já que raramente são observadas alterações bruscas significativas no juro básico da economia.

 

 
   


COMPUTADORES NAS OPERAÇÕES DE MERCADO

Para ser bem-sucedido como operador de mercado, é preciso que seus conhe­cimentos sobre o mercado sejam mais profundos do que os de seus concor­rentes. Você pode analisar o mercado com mais profundidade por meio de computador. Muitos operadores de mercado que competem com você pelas melhores oportunidades já utilizam computador como ferramenta de análise.

Os gráficos manuais podem ajudá-lo a desenvolver uma sensibilidade intuitiva, quase física, sobre os preços. Compre algumas folhas de papel para gráficos e pinte várias ações e commodities a cada dia. Depois de com­pletar os gráficos, marque os pontos em que comprara ou venderá e aque­les em que colocará os seus stops.

Depois de agir assim durante algum tempo, você provavelmente que­rerá analisar mais mercados, usando indicadores técnicos. Essa é a hora de recorrer ao computador e aos softwares de análise técnica.

De carro ou a pé

Um investidor sem computador é como alguém que viaja a pé ou de bicicle­ta. Suas pernas ficam fortes e aprecia a paisagem com detalhes, mas seu avanço é lento. Quando você viaja a negócios e quer chegar rápido ao des­tino, o meio de transporte é avião, helicóptero ou carro, dependendo das circunstancias.

O computador pode ajudá-lo a acompanhar e a analisar mais mercados em profundidade. Pode assumir tarefas rotineiras e liberar sua mente para raciocínios e reflexões, O computador cria condições para que se utilizem mais indicadores e se localizem mais oportunidades no mercado. O computador é poderosa ferramenta para o processamento de mais informações.

A analise técnica computadorizada é mais objetiva do que os gráficos clássicos. Pode-se questionar se realmente determinado traçado configura o padrão cabeça-e-ombros - mas nunca se discute sobre a direção de um in­dicador. Quando um indicador aponta para cima, a direção decerto é para cima; e quando um indicador aponta para baixo, não há dúvida de que é para baixo mesmo.

Substituir os gráficos manuais por gráficos computadorizados é como trocar o ábaco pela calculadora eletrônica. O software diz ao computador como processar os dados e como apresentar os resultados. É até possível que, de inicio, você fique mais vagaroso, enquanto aprende a pressionar as teclas; mas, no final, o aumento da velocidade e da exatidão justifica o esforço.

Três passos para a análise computadorizada

Três são as etapas para tornar-se um investidor cornputadorizado. Primeiro, seleciona-se o software; em seguida, escolhe-se o computador e, final­mente, coletam-se os dados para análise. Diferentes programas requerem diferentes computadores, razão por que é importante definir primeiro o software. O software diz ao computador como processar os dados e como apresentar os resultados. Cada programa tem uma lista única de recursos, além de sua própria aparência e características.

Prepare uma lista de tarefas a serem executadas pelo computador e apresente-a a investidores computadorizados. Entre em contato com gru­pos de investidores, como o Club 3000, nos Estados Unidos, para conhe­cer as preferências de seus membros. Muitos investidores procuram a Fi­nancial Trading Seminars, Inc., em busca de nossa opinião sobre os melho­res pacotes. Revistas especializadas para investidores, como Futures e Technical Analysis of Stocks and Commodities, trazem muitos anúncios de software para análise técnica. Leia esses anúncios e as resenhas sobre apli­cativos e solicite demonstrações.

Depois de estreitar suas escolhas em dois ou três programas, telefone para as empresas e solicite a indicação de usuários para a obtenção de referências. Insista em que lhe forneçam os nomes de usuários reais - sua me­lhor fonte de orientação prática e imparcial. Muitos investidores sen­tem-se isolados e gostam de contato com outros investidores, quando mostram o equipamento e falam sobre a qualidade da assistência técnica.

A maioria dos programas de análise técnica enquadra-se em um de três grupos: caixas de ferramentas, caixas pretas e caixas cinzas. As caixas de fer­ramentas são para investidores sérios, as caixas pretas são para investidores que acreditam em Papai Noel e as caixas cinzas ficam no meio-termo. Ao considerar um novo pacote, pergunte-se a que grupo você pertence.

Caixas de ferramentas

Quem quer trabalhar com madeira ou metal vai a uma loja de ferragens e compra uma caixa de ferramentas com um conjunto de instrumentos ade­quados. Também é preciso aprender a usar as ferramentas, para trabalhar com mais inteligência e mais eficiência. À caixa de ferramentas de análise técnica fornece um conjunto de instrumentos eletrônicos para o processa­rnento de dados do mercado.

A caixa de ferramentas desenha gráficos diários e semanais. Oferece muitos indicadores bem conhecidos, como médias moveis, canais, MACD, histograma MACD, estocástico, índice de força relativa e vários outros, permitindo que se estabeleça sintonia fina com todos os indicadores. Por exemplo, possibilita que você se transfira de um estocástico de cinco dias para outro de nove dias, clicando o mouse ou pressionando teclas.

Um pacote de qualidade cria condições para que você inclua seus pró­prios indicadores no sistema. Assim, você pode desenvolver fórmulas e in­dicadores sob medida para as suas finalidades. Evite programas que lhe im­ponham indicadores enlatados.

A boa caixa de ferramentas também possibilita que se comparem dois mercados quaisquer e que se analisem os spreads. Caso você opere com op­ções, a caixa de ferramentas deve incluir um modelo de avaliação de op­ções. Os pacotes avançados ainda criam condições para que você teste a rentabilidade de seu sistema de negociações.

Dispõe-se de boas caixas de ferramentas em todos os níveis de preço. Na ponta mais sofisticada, a lista de indicadores do CompuTrac enche algumas páginas, incluindo testes de rentabilidade, além de ser altamente automatizada. A maioria dos gráficos deste livro foi desenhada com o CompuTrac. A Financial Trading Serninars, Inc. mantém uma lista de recursos recomendados para investidores computadorizados — pacotes de software de vários preços, serviços de dados, configuração de computado­res, e assim por diante. Essa lista é atualizada a intervalos de poucos meses e é oferecida aos investidores como) serviço público. Você pode receber es­sas informações, entrando em contato com nossa empresa pelo site www.elder.com.

Caixas pretas

Os aplicativos caixa preta dizem o que e quando comprar e vender, sem ex­plicar as razões. Entra-se com dados na caixa preta, as luzes piscam, as engrenagens giram e de repente a engenhoca cospe uma folha de papel, di­zendo o que fazer. Milhares de investidores pagam um bom dinheiro por esses sistemas.

A maioria das caixas pretas é vendida por espertalhões a otários ou a operadores de mercado inseguros. As caixas pretas sempre são apresenta­das com um histórico impressionante, demonstrando seu desempenho lu­crativo no passado. Todas as caixas pretas se autodestroem, porque os mercados estão em constante evolução. Até mesmo os sistemas com otimização embutida não funcionam pois não sabemos que tipo de otimização será necessário no futuro. Nas operações de mercado, não há substituto para o julgamento maduro. A única maneira de lucrar com caixas pretas é vendê-las.

Toda caixa preta acabará fracassando, ainda que vendida por gente honesta. Atividades humanas complexas, como operações de mercado, não são suscetíveis de automatização. As máquinas podem ajudar, mas não substituem os seres humanos.

Operar nos mercados por meio de caixas pretas significa usar urna fatia da inteligência alheia, da maneira como se manifestou, em algum momen­to do passado.

Caixas cinzas

Como a caixa preta, a caixa cinza gera sinais de operação com base em fór­mulas exclusivas. Ao contrário das caixas pretas, oferece uma visão geral de suas fórmulas e permite até certo ponte a sintonia fina com suas opera­ções. Quanto mais a caixa cinza aproxima-se da caixa de ferramentas, me­lhor será.

As caixas cinzas bem conhecidas incluem programas como o MESA, considerado o melhor para a identificação dos ciclos de mercado.

Computadores

Diferentes programas de software exigem diferentes máquinas. Essa é a ra­zão por que é melhor escolher o aplicativo antes de comprar o computa­dor. Compre o equipamento mais moderno, de modo a aproveitá-lo du­rante vários anos. Os usuários sempre exigem mais memória e velocidade - nunca ouvi ninguém reclamar de excesso de qualquer uma dessas caracte­rísticas. Compre um modem veloz para extrair dados de bancos de dados. Adquira uma impressora a laser para imprimir gráficos de alta qualidade.

A maioria dos programas permite que se automatizem estudos e que se os imprimam. Apertam-se algumas teclas e deixa-se o computador traba­lhar. Daí a algum tempo, encontra-se uma pilha de gráficos e de indicadores na saída da impressora. O trahallo tedioso está feito; agora, é analisar e tomar decisões.

Vale a pena contratar alguém que já use o pacote para ajustar o sistema. Geralmente faço isso quando começo a usar um software - economi­za muito tempo e energia. Quando se sabe onde clicar e que teclas apertar, pode-se operar a maioria dos programas, sem muitos conhecimentos sobre informática.

“Como se Transformar em um Operador e Investidor de Sucesso”, Alexander Elder, editora Campus, 2004. Capítulo IV-parte.